O filme “O Rapaz e a Garça”, do realizador Hayao Miyazaki, apresentado como o último do mestre japonês de animação, vai estrear-se em Portugal a 9 de novembro, revelou hoje a distribuidora Outsider Films.

Este é o primeiro filme de Hayao Miyazaki em dez anos, depois de ter estreado "As Asas do Vento" (2013). Na altura, o cineasta anunciou que iria reformar-se, mas acabou por se dedicar a mais uma longa-metragem de animação, que é agora considerada a despedida.

“O Rapaz e a Garça”, produzido pelos estúdios Ghibli, teve estreia nos cinemas japoneses a 14 de julho e está agora a começar a ser exibido fora do Japão, como filme de abertura no Festival de Cinema de Toronto, no início deste mês, e parte da programação dos festivais de San Sebastian (Espanha) e de Londres.

A longa-metragem de Miyazaki, 82 anos, inspira-se numa obra com o mesmo título, publicada em 1937 pelo autor de literatura para a infância Genzaburo Yoshino.

Segundo a revista Variety, a narrativa é sobre um adolescente de 15 anos, numa viagem de amadurecimento espiritual, de descoberta da pobreza e do sentido da vida, com a ajuda do diário de um tio.

Hayao Miyazaki

A circulação internacional do filme acontece numa altura em que os estúdios Ghibli anunciaram, esta semana, que vão passar a ser uma subsidiária da estação de televisão nipónica NTV, que lhes adquiriu 42,3% de quota da empresa.

Os estúdios, com os quais a NTV já mantinha uma colaboração, conservam a autonomia artística e Miyazaki fica como presidente honorário da estação de televisão.

Uma das razões apontadas para esta decisão prende-se com a idade dos fundadores dos emblemáticos estúdios Ghibli, já que Miyazaki tem 82 anos, o produtor Toshio Suzuki tem 75 anos e o cineasta Isao Takahata morreu em 2018.

Goro Miyazaki, filho do realizador e ele próprio também autor de cinema de animação, era apontado um dos sucessores nos estúdios, mas recusou o papel de liderança da produtora e gestora de todo o património cinematográfico lançado.

O cinema de Hayao Miyazaki, distintivo pelo cruzamento entre fantasia e realidade, fortemente marcados pela espiritualidade, pela natureza e pela infância, integra, entre outros, os filmes "O Meu Vizinho Totoro" (1988), "A Princesa Mononoke" (1997), "A Viagem de Chihiro" (2001) - que lhe valeu um Óscar e um Urso de Ouro em Berlim -, "O Castelo Andante" (2004) e "Ponyo à Beira-mar" (2008).

É ainda autor de séries de televisão - como "Conan, o Rapaz do Futuro" - e manga (banda desenhada japonesa), como a série "Nausicaa".

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.