Nos quatro séculos que passaram desde que Shakespeare escreveu a obra, nunca houve um Macbeth como Denzel Washington.

Duas vezes vencedor nos Óscares, ele é frequentemente considerado o grande ator da sua geração e já recebeu todos os elogios possíveis pelo seu novo trabalho, "The Tragedy of Macbeth" [A Tragédia de Macbeth], disponível a partir desta sexta-feira na plataforma de streaming Apple TV+.

Washington tem 67 anos e a sua Lady Macbeth é interpretada por Frances McDormand, de 64, o que significa que o casal implacável dificilmente poderia gerar um herdeiro para o seu reinado.

"Eles estão cansados e são mais velhos", disse o ator à France-Presse, explicando que a passagem do tempo deu às personagens uma motivação diferente, mas igualmente malévola.

"The Tragedy of Macbeth": Frances McDormand e Denzel Washington são notáveis em drama trovejante de Joel Coen
"The Tragedy of Macbeth": Frances McDormand e Denzel Washington são notáveis em drama trovejante de Joel Coen
Ver artigo

"Eles são como: 'Esta é a nossa oportunidade. Eles estão em dívida connosco' [...] Tempos drásticos exigem medidas drásticas. E o relógio está a correr'", explicou.

E como poderia Washington, que protagoniza duelos de espadas com vários adversários em muitos e cansativos encontros ao longo do filme, interpretar este papal de forma distinta há 20 ou 30 anos?

"Provavelmente de forma mais física. E não cedendo à realidade de como os meus joelhos estão neste momento da minha vida!", respondeu.

Além da questão etária, Washington obviamente é negro, assim como o ator Corey Hawkins, de 33 anos, que interpreta o seu inimigo e eventual vencedor Macduff.

Este detalhe, embora seja um anacronismo histórico para a Escócia do século XI, está longe de ser novidade. Em 1936, Orson Welles dirigiu uma versão de Macbeth com um elenco negro.

"Obviamente, somos diferentes, pelo que acredito que isso é bom", disse Washington numa conferência de imprensa com jornalistas.

"Na minha humilde opinião, deveríamos chegar a um ponto em que a diversidade sequer tenha que ser destacada como algo especial", acrescentou.

"Não posso mudar esta pele ou este cabelo. Mas o que posso fazer é ser bom em algo que as pessoas podem não estar à espera. Não estávamos a pensar em preto e branco", acrescentou Hawkins.

"Olhar fresco"

Corey Hawkins

Ironicamente, o filme foi rodado a preto e branco, em formato padrão (4:3), com decorações minimalistas e elegantes que remontam aos primórdios de Hollywood.

A peça "Macbeth" já foi trabalhada anteriormente em diversos formatos no cinema por cineastas de renome, que incluem Welles, Akira Kurosawa e Roman Polanski.

Washington, contudo, afirma não ter visto as versões anteriores de Macbeth no cinema, e preferiu não ir atrás delas após o realizador Joel Coen escolher o elenco.

"Não queria ver alguém e perguntar-me: 'Como é que raio vou fazer melhor do que isto?'", contou o ator.

"Não queria que influenciasse o que eu estava a fazer. Portanto, interpretei este papel com um olhar fresco, e com imaginação", acrescentou.

O ator, porém, tem tradição em relacionar-me com Shakespeare: protagonizou na Broadway uma versão de "Júlio César" e também participou no filme "Muito Barulho por Nada", de Kenneth Branagh.

Hawkins, por sua vez, disse que esperava ver que Washington, ele e outros atores negros do elenco, incluindo Olivia, a filha de Washington, servissem de inspiração para que mais jovens de minorias dessem uma oportunidade às obras de Shakespeare.

"Sim, os negros amam Shakespeare. Nós provavelmente amamos Shakespeare sem saber que amamos Shakespeare, porque há tantas referências culturais e nas músicas que gostamos", afirmou.

"É uma honra poder fazer isto e estar lado a lado com estes atores, estes atores negros [...] Porque temos tanto direito como qualquer outra pessoa", concluiu o jovem intérprete de Macduff.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.