O ex-ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, disse este domingo (26) que o ator norte-americano Richard Gere será testemunha num julgamento no qual o político italiano é acusado de bloquear ilegalmente os migrantes no mar quando integrava o governo em 2019.

"Richard Gere testemunhará contra mim no julgamento do [caso] Open Arms a 23 de outubro em Palermo", na Sicília, revelou Salvini, segundo declarações divulgadas pela agência italiana Ansa.

"Eu conheço-o como ator, mas não entendo que tipo de lições ele me quer dar", acrescentou o líder do partido de extrema-direita Liga.

"Se alguém quer transformar o julgamento num espetáculo e quer ver Richard Gere, que vá ao cinema, não a um tribunal", comentou Salvini, que, em tom de brincadeira, também disse que pediria ao ator "um autógrafo" para a sua mãe.

Matteo Salvini

Salvini é acusado de sequestro e abuso de poder por proibir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mar Mediterrâneo pela ONG espanhola Open Arms em agosto de 2019.

Durante seis dias, Salvini negou-se a conceder a permissão de atracar num porto seguro ao navio da ONG, que ficou ancorado em frente à ilha de Lampedusa, ao sul da Sicília, enquanto as condições das pessoas a bordo se deterioravam.

Salvini sustenta que agiu pelo bem da Itália e para dissuadir os migrantes de tentarem a perigosa travessia do Mediterrâneo.

Richard Gere, por sua vez, esteve no barco da Open Arms em agosto de 2019 para oferecer apoio aos migrantes, o que gerou na época críticas de Salvini.

O navio humanitário Open Arms, com 147 migrantes a bordo, a 15 de agosto de 2019 em Lampedusa

O julgamento teve início a 15 de setembro em Palermo, mas acabou sendo adiado no mesmo dia para 23 de outubro. No processo estão representadas 23 partes civis, entre elas nove migrantes que estavam a bordo do navio.

Salvini entrou no governo italiano em 2018, através da coaligação da Liga com o Movimento 5 Estrelas (M5E), mas foi o epicentro de uma crise governamental em agosto de 2019, com a esperança de modificar o equilíbrio de forças numa votação parlamentar antecipada.

Contudo, a manobra não resultou e o M5E conseguiu formar um novo governo com o Partido Democrata (PD, de centro-esquerda). Este, no entanto, foi substituído no início de 2021 por um governo de ampla coaligação, que inclui a Liga e é dirigido pelo ex-presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.