O 34.º FIMP decorrerá até ao dia 15 em vários espaços do Porto, Matosinhos e Aveiro com 18 espetáculos de companhias de sete países diferentes, e a programação é atravessada pelos conceitos de memória, imagem e manipulação.

A abertura, hoje no teatro municipal Rivoli, é com “Armazém 88”, uma criação do Teatro de Marionetas do Porto, feita a partir “do seu arquivo adormecido, recuperando marionetas, materiais, ideias e conceitos”, e que homenageia o seu fundador, João Paulo Seara Cardoso, que morreu em 2010, refere o festival na página oficial.

Outra das estreias absolutas é a do espetáculo “O Público e a Multidão”, do coreógrafo e intérprete brasileiro Joclécio Azevedo, no Teatro do Campo Alegre, no Porto, nos dias 13 e 14.

“Polaroid”, com texto e dramaturgia de Paulo Duarte, é a terceira estreia absoluta do FIMP e inscreve-se no universo da marioneta contemporânea, tendo sido construído a partir de pedaços de um álbum de família.

Da Polónia, a companhia de Teatro de Marionetas de Bialystok apresenta o espetáculo “História do Príncipe H”, uma estreia nacional que vai subir ao palco do Teatro Carlos Alberto no dia 11.

A 15 de outubro, o Centro Dramático de Évora mostrará, no Teatro Helena Sá e Costa, no Porto, o espetáculo “Auto da Criação do Mundo”, com os tradicionais Bonecos de Santo Aleixo.

Destaque ainda para uma exposição, no Rivoli, que assinala os trinta anos da Tarumba e percorre o universo criativo da companhia lisboeta nas várias técnicas de manipulação de marioneta.

Tudo o que se passa à frente e atrás das câmaras!

Receba o melhor do SAPO Mag, semanalmente, no seu email.

Os temas quentes do cinema, da TV e da música!

Ative as notificações do SAPO Mag.

O que está a dar na TV, no cinema e na música!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOmag nas suas publicações.